20 fevereiro 2016






acabado de chegar de um daqueles concertos para mais tarde recordar: uma inesquecível viagem de inverno na gulbenkian (grande auditório esgotado) pela mão do meu barítono preferido na actualidade e markus hinterhäuser (no piano), com uma maravilhosa criação visual, encenação e vídeo de william kentridge. matthias goerne é para mim o herdeiro natural de fischer-dieskau como intérprete superlativo de lieder e a sua voz ainda me pareceu mais aveludada que na gravação em disco. e, como aliás já esperava, este ciclo de canções de schubert voltou a ter algo que me pareceu ouvir pela primeira vez.









Sem comentários:

Enviar um comentário