28 maio 2015






"Para um escritor, talvez a questão não seja tanto conhecer as árvores mas conhecer-lhes o nome. Há aquela história que se conta sobre Eugénio de Andrade. Que o poeta, estando um dia de visita a uma biblioteca pública algures, se detém junto de uma jarra de flores belíssimas. “Como se chamam?”, terá perguntado. Ao que a bibliotecária, com a suave fleuma de que só os grandes leitores são capazes, responde, “Frésias. Os seus poemas estão cheios delas”. Não sei se a história é verídica, mas é útil para esta conversa sobre nomes e coisas e o que se passa aí pelo meio. Para o poeta, o nome é já a coisa."






Jacinto Lucas Pires






[para a Rosa]

4 comentários:

  1. Obrigada ; ) Se são para mim vou já levar.

    ResponderEliminar
  2. A questão é interessante. Fiquei a pensar.
    À partida, teria dito que é mais importante conhecer a coisa do que o seu nome. Mas, de facto, uma coisa sem nome está esventrada, talvez nem exista.
    Acho que isto vai andar uns tempos na minha cabeça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pense... ma non troppo. pensar muito na coisa é ser já a coisa ;)

      Eliminar