27 maio 2013








Deslição de anatomia






Quase fui médico.
Cedo acreditei
ter inclinação.
Aconteceu, em menino,
frente aos compêndios escolares.
Fascinava-me,
no corpo humano,
o vocabulário em flor:
o suco gástrico,
o bolo alimentar,
o trânsito intestinal,
as papilas gustativas.

Ante o meu prematuro pasmo,
a professora vaticinou: vai ser médico!
Em casa, porém,
meu pai diagnosticou diverso:
não era a anatomia que me atraía.

Eu apenas amava as palavras.

Meu pai adivinhava.
E eu, de poesia, adoecia.











Mia Couto









2 comentários:

  1. Li um romance de Mia Couto há muitos anos, mas ainda não devia estar "madura" para o entender, porque nada me ficou da leitura. Vou ali espreitar à estante, espere... bem me parecia, tenho um dele, "A varanda do frangipani". A ver se o leio um dia destes ;)

    ResponderEliminar
  2. como quase sempre acontece, é conhecido pelos romances e novelas. para mim, vale pela poesia.
    tem outro bom exemplo aqui:
    http://novascartasdemarear.blogspot.pt/2012/01/para-ti-foi-para-ti-que-desfolhei-chuva.html

    ResponderEliminar