23 janeiro 2018






(durante as recorrentes visitas à biblioteca de arte da gulbenkian ao longo do último ano,
enquanto pesquisava e escrevia sobre as tentações de jheronimus van aken, dito bosch, fui
visitando o museu da fundação e, aos poucos, apaixonei-me por esta jovem, que tem tanto
de belo quanto de inacessível. um dia invento uma história e escrevo um livro sobre ela.)







ritratto di giovane donna
domenico ghirlandaio






6 comentários:

  1. aqui para nós,parece-me uma enjoadinha do pior, mas tu lá saberás :)

    __________
    noto com agrado, contudo, que fizeste uma coisa que eu fiz também, quando passei o meu 12º ano em Lx: ao que parece, só a tua enjoadinha é mais bonita que a minha, a Lisboa é a mesma = igual :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. enjoadinha, esta beleza florentina? (minha amiga, não negue à partida uma ciência que desconhece. o meu nome é alcina lameiras)

      Eliminar
  2. No início de Rayuela, Cortázar refere Ghirlandaio, de passagem: «De todas maneras subí hasta el puente, y la Maga no estaba. Ahora la Maga no estaba en mi camino, y aunque conocíamos nuestros domicilios, cada hueco de nuestras dos habitaciones de falsos estudiantes en París, cada tarjeta postal abriendo una ventanita Braque o Ghirlandaio o Max Ernst contra las molduras baratas y los papeles chillones, aun así no nos buscaríamos en nuestras casas.»
    Em tempos, imaginei esta jovem como a Lucia (Maga) de Horacio Oliveira, o protagonista. Oliveira procurava Lucia na cidade errada. Divagações...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hélas! todos procuramos a nossa maga na cidade errada... ;)

      Eliminar
  3. Portanto, habemus livro em 2018 :)

    (Ou é efeito da fotografia ou ela tem o braço direito muito mais volumoso que o esquerdo?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o quadro original parece realmente "descentrado", pois o rosto da rapariga ocupa o centro mas o seu braço esquerdo não foi pintado. há quem diga que a imagem foi "cortada" porque estaria danificado na margem. é possível porque se trata de pintura a têmpera (e não a óleo) sobre um painel de madeira, mais sujeita a deterioração com o decurso do tempo, e este retrato "diz que" é de cerca de 1490.
      por acaso até tenho uma ideia para uma história baseada no quadro :)


      Eliminar