30 janeiro 2017





ah a suave tempestade do maravilhoso regresso dos cotovelo






i will fly swift and true straight to you, like an arrow

just to be where you lie

meet my quest, do my shambling best to be near you

where you lie 
i've found peace
in your arms


gentle storm

rage my way

fall in love with me

everyday


counting down, now the clocks reset when i met you

do we start a new life?

yours and my spit-shone restless hearts, they were meant to

beat one time, share one fate

from this day


gentle storm

rage away
 and
fall in love with me

everyday




26 janeiro 2017





a par de elvis costello, joe jackson é um daqueles nomes surgidos na chamada new-wave, a sucessora da explosão punk no final dos anos setenta, que tinha piada e cujo som envelheceu bem. 
misturava géneros (rock, ska, reggae, jazz) e teve a brilhante ideia de recriar velhos standards de lester young, glenn miller e este clássico imortal de cab calloway. ainda hoje apetece dançar isto.









24 janeiro 2017





lista de livros lidos em 2017 :



1 : strange weather in tokyo, hiromi kawakami, portobello books



2 : the book, keith houston, w. w. norton





3 : ver no escuro, cláudia r. sampaio, tinta-da-china





4 : mil anos de esquecimento, afonso cruz, alfaguara





5 : ...





19 janeiro 2017







Tragam-me um homem que me levante com
os olhos
que em mim deposite o fim da tragédia
com a graça de um balão acabado de encher
tragam-me um homem que venha em baldes,
solto e líquido para se misturar em mim
com a fé nupcial de rapaz prometido a despir-se
leve, leve, um principiante de pássaro 
tragam-me um homem que me ame em círculos
que me ame em medos, que me ame em risos
que me ame em autocarros de roda no precipício
e me devolva as olheiras em gratidão de 
estarmos vivos
um homem homem, um homem criança
um homem mulher
um homem florido de noites nos cabelos
um homem aquático em lume e inteiro
um homem casa, um homem inverno
um homem com boca de crepúsculo inclinado
de coração prefácio à espera de ser escrito
tragam-me um homem que me queira em mim
que eu erga em hemisférios e espalhe e cante
um homem mundo onde me possa perder
e que dedo a dedo me tire as farpas dos olhos
atirando-me à ilusão de sermos duas 
novíssimas nuvens em pé.





Cláudia R. Sampaio







17 janeiro 2017





lista de livros lidos em 2017 :


1. strange weather in tokyo, hiromi kawakami, portobello books



2. the book, keith houston, w. w. norton





3. ...






13 janeiro 2017





Considerações



1.
Só poetas muito pobres
falarão da riqueza destas casas.

As casas que limpo habitam o nadir
da hierarquia poética das casas
Mas com elas se paga o preço da arte.
Imprestável e luxuosa, dizem
Vital, penso, enquanto limpo casas.

2.
São-me muito próximas, estas casas vazias
Não há comunhão com uma casa até assoar cotão
Sentindo a casa sair de mim

Quando me mudei para a minha casa
Também a limpei dos pés ao tecto
E por isso me foi habitando nariz e poros.

No fim do dia enquanto a casa escorria
pelo branco da banheira, pensei:
o habitante é o meio pelo qual uma casa regressa a si.

3.
Se passares um dia a limpar uma casa
Ficarás muito limpo por dentro e
Muito sujo por fora.

4.
Teorema:
Quanto mais suja está uma casa, mais limpa está a sua esfregona.

5.
Não é vergonha que o poeta tenha que limpar casas.
Vergonha seria não escrever sobre elas.

6.
Há casas tão sujas que pedem black metal por banda sonora.

7.
Estas casas nunca se ocupam por muito tempo.
São prostitutas, não são casas para casar.
Entre um e outro ocupante
tenho que apagar as marcas dos corpos

Descobri uma esponja mágica
Que limpa dedadas da parede.
Custa o preço de duas cervejas
A terceira bebo-a ao fim do dia.

8.
Limpar-me com cerveja.

9.
Por vezes os lençóis são abandonados
ainda deitados nas camas.
São um arrepio estes lençóis.
Sair para comprar tabaco e não voltar.

10.
Uma casa não pode ser só bela
Tem que ter qualquer coisa de triste,
Qualquer coisa que chora
Qualquer coisa que sente saudade
Teria escrito Vinicius de Moraes
Se fosse um poeta tão pobre quanto eu.

11.
Trapos são os velhos.
As minhas t-shirts mais amadas terminam a vida
a esfregar paredes.

12.
Abandonam-se nas casas coisas sem préstimo
Móveis que não valem o seu peso às costas,
Canetas de apelo político que nunca escreveram senão listas de compras
(o poeta usará estas canetas para escrever sobre casas).

13.
Por vezes, nestas casas, também encontro fotografia.
Evidência:
Algumas fotografias pesam tanto nas costas como móveis.

14.
Com uma casa,
pago a água ou a luz
da minha casa.

15.
Nalgumas casas cortaram água e luz.
há que trocar horas de sol por horas na casa
há que levar a água nas mãos
(neste caso o poeta é também aguadeiro,
Direi rio, escada acima, rio Nilo).

16.
Por não ter medo de mexer nas zonas que outros evitam
O poeta é campeão a lavar sanitas.

17.   
Limpar casas é o preço de coisas muito caras,
como a arte.




Ana Tecedeiro





08 janeiro 2017






a primeira grande surpresa musical do ano chega-me cheia de esperança: o jazz não morreu, não senhor. quando se ouve o trompetista john raymond naquele seu estranho trio, com o guitarrista gilad hekselman e o baterista colin stranahan, sente-se instintivamente que ali nasceu algo maior, e que tocado ao vivo ainda mais nos surpreende.









04 janeiro 2017


{ ora vamos lá… }




lista de livros lidos em 2017 :


1. strange weather in tokyo, hiromi kawakami, portobello books 

2





01 janeiro 2017









lascia ch'io pianga mia cruda sorte, e che sospiri la libertà! 
il duolo infranga queste ritorte de miei martiri sol per pietà.