30 abril 2016







"A vida é muito menos cheia de prosápia do que a morte. É uma espécie de maré pacífica, um grande e largo rio. Na vida é sempre manhã e está um tempo esplêndido. Ao contrário da morte, o amor, que é o outro nome da vida, não me deixa morrer às primeiras: obriga-me a pensar nas pessoas, nos animais e nas plantas de quem gosto e que vou abandonar. Quando a vida manda mais em mim do que a morte, amo os que me amam, e cresce de repente no meu coração a maré da vida. Cada lágrima que me escorre por vezes pela cara ao adormecer, cada aperto de angústia na garganta que sinto quando acordo de manhã e me lembro de que tenho cancro, cada assomo de tristeza que me obriga a sentar-me por vezes à beira do caminho quando vou passear com os cães e interrompe a oração ou a conversa com o céu que me embalava o espírito, cada um destes sinais provém do falhanço momentâneo do amor dos outros em amparar-me, e sobretudo do meu em permitir-lhes que me acompanhem. Quando, pelo contrário, decorre um dia em que consigo escrever e gosto daquilo que escrevo, em que me curvo sobre os canteiros para cortar ervas daninhas, em que admiro amorosamente a energia da Patrícia sentada ao computador ou a trazer lenha para casa, quando isto sucede, o meu tempo já não é o Tempo Comum mas antes um longo domingo de Páscoa: sinto a presença amorosa de todos os que precisam de mim e d’Aquele de quem eu preciso."




(excerto de "Morrer é mais difícil do que parece")
Paulo Varela Gomes (1952-2016…(







4 comentários:

  1. Acabei agora de ler o texto a que este excerto pertence, datado de 10 Abril 2015.
    Um relato muito forte... Talvez a necessidade de escrever passasse por uma espécie de catarse.
    josé luís, obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. apesar de ser uma crónica anunciada, tinha-me habituado, como sempre acontece comigo, a esperar que não acontecesse.

      Eliminar
  2. pois... eu também não estava nada à espera...

    ResponderEliminar