19 janeiro 2016






fábula  das  gotas  de  sal





por fim partiste, navio procurando rumo em cada amarra por soltar
e assim o desespero vai desaguando em mim, como este tejo que olho
também os rios se afogam na solidão e na mágoa de uma inevitável foz
também me sei o mar que chora gotas de sal na onda que morre na praia








4 comentários: