17 dezembro 2015







Cidade





Do miradouro viam-se as minguantes luzes
da misericórdia – um simulacro de treva
no obscuro novembro da cidade. Um céu
longínquo respirava pelo grave vinco
dos telhados, por estreitas ruas
que guardam o eco das nossas vidas,
o incalculável regresso.

Será meu confidente o veleiro vento
vogando pela copa dos ulmeiros,
as mortas folhas de um suave novembro;
a poalha de cinza sobre o rio; três
ou quatro aves de que agora não saberei
dizer o nome, porque o muno muda
pelo cinzento requebro das suas asas.

Um requiem de sinos tece o emblema
deste dia – lábios que se perderam
na treva húmida dos jardins; um
relâmpago pelo imaginado novembro
do teu nome, quando a garoa lateja
à ilharga do sol-pôr acortinando
a ruiva despedida dos amantes.

Deixa-te findar sobre esta estendida
cadeira, pela tardia hora em que os búzios
se espalham por entre as mãos do negro,
na adivinhação do longínquo dia de amanhã.







José Luiz Tavares






Sem comentários:

Enviar um comentário