17 novembro 2015






fábula  do  sousa,  do  silva  e  da  gueixa
(ou  do  eterno  triângulo  amoroso)






“aqui declamo:
sou o sousa.
e silva, amo
a sua esposa!”


“ora, deixa-
-me a gueixa
em paz,
rapaz.”


“só queria não
ser musa
nesta questão
confusa.”







6 comentários: