03 setembro 2015





A cura




1
O poema
é mais emblema
que lema
no meu deixo
uma lesma
sempre a mesma
lesma é o meu lema

2
O poema não é
forma de bolo
é barca de tolo
(o tolo saúda o velho mar
a seguir despede-se ou despe-se)

3
O poema é
esconjuro do escuro
ao meio-dia
coisa de Kepler
e de bruxas
(eclipses e elipses)

4
Vão-se os poemas
fique o poeta
por muito pateta
para bater na neta

5
A ira
pôs-me a dançar
o vira
(só a coitada
fica sentada)






Adília Lopes





6 comentários:

  1. Sempre tão especial a Adília!
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Aconteceu-me uma coisa muito engraçada: como de costume, no caso de textos esticados no que à altura diz respeito, comecei a ler sem ver quem era o autor e imediatamente associei-o à Adília; bom para ela, pois, significa que tem uma marca.

    E agora pára tudo: o josé luís atreveu-se a furar o princípio do desacordo e mandou o "c" de profiláctico às urtigas? Eu fui verificar a lista... https://www.incm.pt/actos/acordo_ortografico.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tragédia! catástrofe! horror! como ocorreu tão funesta tragédia?!
      a única explicação possível é ter escrito o comentário num pc que não é o meu - e que talvez estivesse já infectado por esse vírus do ébola, perdão, a.o.

      Eliminar