17 julho 2015





Esta areia fina




Não sei
se o que chamam amor é este apaziguamento.
Não sei se comias fogo. Tuas abelhas
voam agora em círculos tranquilos.
Mães serenam seus filhos no ventre,
não sei se o que enfim chamam
amor é esta areia fina.

Agora estamos um dentro do outro,
fazemos longas visitas deslumbradas
porque «o nosso prazer lembra um rio vagaroso
no meio de juncos ao cair da tarde.»

As palavras tornam-se esquivas. Com o silêncio
falaríamos melhor de tudo isto.
Não sei se o que chamam amor
é a cama desfeita o sol fugindo,
uma vontade louca de beber
a grandes goles a noite entorpecente.

Com o silêncio, o silêncio sem nome:
morremos a meio do filme
simples, calada, delicadamente.
Eras tu, amor? - Era eu, era eu!

Um barco junto à margem. E cegonhas.






Fernando Assis Pacheco






6 comentários:

  1. Que bom ler isto logo pela manhã!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não é só um poema por dia, não sabe o bem que lhe fazia
      também é um poema pela manhã, alegria e vida sã… ;)

      Eliminar
  2. Mas que coisa mais linda!

    ResponderEliminar