24 julho 2015





Carta de navegação





Talvez além do que tu vês
não esteja nada
nem a alada criatura com que sonhas
sequer a sombra da sombra de uma sombra

Talvez nisso que vês só haja o espelho
de um desejo sem rosto e sem esperança
que toda a vida (às vezes) seja apenas
esse deserto crescendo à tua volta

Aprende a não amar o amor
a nada querer
não desejar o desejo
nada ter.






Bernardo Pinto de Almeida






7 comentários:

  1. Ou talvez haja um mundo inteiro por descobrir.

    Bom dia, José Luís. :)

    ResponderEliminar
  2. Fiquei um bom bocado pendurada a pensar nisto.
    Por um lado, em termos individuais, só existe o que tem impacto na nossa vida, o que realmente conhecemos nem que seja só através de uma pequena referência.
    Por outro lado, a vida também gira porque imaginamos haver mais por que importa lutar.
    Prefiro interpretar a aprendizagem do nada querer como uma disponibilidade para a descoberta e uma aceitação dos acasos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não querer nada
      nada ter
      não ficar pendurada
      ;)

      Eliminar
  3. carta com bom rumo. de certo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas não perdida.

      (depois de reler e reler, navegação com o melhor rumo).

      :)

      Eliminar