14 abril 2015







fábula das caravelas à deriva





quando foi que pela última vez te naveguei ancorada a mim?
por que só vejo vagas onde estava a ilha que me é mais cara?
há quanto tempo interrogo este horizonte baço que se esquiva?


vejo que sou um navio que procura o porto do teu corpo, assim
numa inútil busca alucinada, de ferida salgada que nunca sara
mas sei também que em cada onda tua dorme uma esperança furtiva:


porque embora perca a âncora que me prende a um sonho sem fim
e mesmo que as ondas que nos uniam sejam a maré que nos separa,
haverá sempre um anjo a olhar por nós, imóveis caravelas à deriva







4 comentários:

  1. Uma fábula muito doce! ... Apesar da água salgada;)
    Há sempre um anjo, sim.
    Muito bonito, José Luís!

    ResponderEliminar
  2. Até as caravelas à deriva têm direito a descansar :)

    ResponderEliminar