06 março 2015





Nunca vi triste o meu mestre Caeiro. Não sei se estava triste quando morreu, ou nos dias antes. Seria possível sabê-lo, mas a verdade é que nunca ousei preguntar aos que assistiram à morte qualquer cousa da morte ou de como êle a teve.
Em todo o caso, foi uma das angústias da minha vida – das angústias reais em meio de tantas que têm sido fictícias – que Caeiro morresse sem eu estar ao pé dêle. Isto é estúpido mas humano, e é assim.
Eu estava em Inglaterra. O próprio Ricardo Reis não estava em Lisboa; estava de volta no Brasil. Estava o Fernando Pessoa, mas é como se não estivesse. O Fernando Pessoa sente as cousas mas não se mexe, nem mesmo por dentro.





Álvaro de Campos





2 comentários:

  1. Afinal esta gente conhecia-se toda;)
    Bom fim-de-semana, José Luís!

    ResponderEliminar
  2. uma infinita irmandade ;) bom f-d-s

    ResponderEliminar