03 janeiro 2014









falei aqui há tempos na banda do casaco e nos últimos dias tenho recuperado esta canção (que tanto tanto ouvi na adolescência) pela sua inegável actualidade. nesses longínquos anos setenta, a quantidade de pessoas que não sabia ler nem escrever era a que se sabia (e não se dizia). 
quase quatro décadas depois, ao ler o que se escreve por aí, na blogolândia, no feissebuque, nos jornais e nos cadernos dos estudantes liceais de hoje, literatos incapazes de tecer um simples comentário escrito sobre um qualquer pequeno texto poético (por exemplo, um poema), resta-me esperar que a redução na taxa de analfabetismo oficial não tenha sido inversamente proporcional ao número de alfabetizados analfabetos funcionais entretanto gerado.



É triste não saber ler,
É triste não saber falar,
Não ver maneira de ser
Nem ver jeitos de acabar.
É triste um homem viver
Sem ter cama que fazer.

É triste ser-se tão triste,
Tão sem ninguém a quem amar
Nem ter asas de avoar.

É triste o entardecer,
Como é triste amadrugar,
É triste um homem morrer
Sem ter chegado a nascer.

É triste ser-se tão triste,
Tão sem ninguém a quem amar
Nem ter asas de avoar.











Sem comentários:

Enviar um comentário