17 outubro 2013









A varanda de Julieta







Em Verona
a casa da Julieta
é pequena, escura, insignificante.
O edifício está enegrecido
só a varanda de pedra foi limpa:
destaca-se como um grito branco
numa boca escura.

Tudo é um pouco de menos
nesta fachada demasiado obscura
agora brutalmente iluminada
pela luz fluorescente
duma loja de design
colocada mesmo em frente
no mesmo pátio
no mesmo átrio mítico.

Fui procurar
a memória da história
e encontrei a tecnologia
gritando
contra o endurecido mito
do sentimento
petrificado no tempo.

Tinha esquecido que o amor
é coisa mental
e que na superfície do real
é como um grito branco
numa boca escura.

  







Ana Hatherly











Sem comentários:

Enviar um comentário