30 setembro 2013








madeleine escreveu-o como uma homenagem a bessie smith, 
mas fica sempre aquela atmosfera de billie holiday.
um grande azul, este da saudação ao homem doce...




Hey sweet man

Who you give your lovin' to?

Hey sweet man

Who you give your lovin' to?

I gotta mind to love you

I'll love you through and through



Hey momma's child

Ain't you been waitin' for me?

Hey momma's child

Ain't you been waitin' for me?

I've gotta mind to love you

And my love won't leave you be



Hey sweet woman

I see you're searchin' too

Hey sweet woman

Ain't no man that love you

Hold on, pretty momma

Someday he'll be searchin' too



Well we need some lovin'

We need it oh-so-bad

We need some lovin'

We need it oh-so-bad


'Cause it's bad lovin', momma

It's the only thing we ever had






















sun in an empty room
edward hopper









29 setembro 2013










O Jardim







Consideremos o jardim, mundo de pequenas coisas,
calhaus, pétalas, folhas, dedos, línguas, sementes.
Sequências de convergências e divergências,
ordem e dispersões, transparência de estruturas,
pausas de areia e de água, fábulas minúsculas.

Geometria que respira errante e ritmada,
varandas verdes, direcções de primavera,
ramos em que se regressa ao espaço azul,
curvas vagarosas, pulsações de uma ordem
composta pelo vento em sinuosas palmas.

Um murmúrio de omissões, um cântico do ócio.
Eu vou contigo, voz silenciosa, voz serena.
Sou uma pequena folha na felicidade do ar.
Durmo desperto, sigo estes meandros volúveis.
É aqui, é aqui que se renova a luz.










António Ramos Rosa











[ uma rosa do rosa para a rosa ]














[ alcainça ]











28 setembro 2013








Dear Scott






This is just to say
I have drunk
the plum brandy
that was in
the icebox

and which
you were probably
saving
for breakfast

forgive me
it was delicious
so cold
and so numbling



x  Zelda









Roger McGough











(para a menina da pastelaria)









naqueles dias em que toda a gente julgava saber quem tinha morto laura palmer 
ninguém ouvia julee cruise como eu, de manhã à noite.




Tell your heart that I'm the one 
Tell your heart it's me 

I want you 
Rockin' back inside my heart 
I want you 
Rockin' back inside my heart 
Rockin' back inside my heart 

Shadow in my house 
The man he has brown eyes 
She'll never go to hollywood 
Love moves me 

I want you 
Rockin' back inside my heart 
I want you 
Rockin' back inside my heart 
Rockin' back inside my heart 

Tell your heart, you make me cry 
Tell your heart, don't let me die 

I want you 
Rockin' back inside my heart 
I want you 
Rockin' back inside my heart 
Rockin' back inside my heart 

Shadow in my house 
The man he has brown eyes 
She'll never go to hollywood 
Love moves me 

I want you 
Rockin' back inside my heart 
I want you 
Rockin' back inside my heart 
Rockin' back inside my heart 
She'll never go to hollywood. 

Do you remember our picnic lunch? 
We both went up to the lake 
And then we walked among the pines 
The birds sang out a song for us 
We had a fire when we came back 
And your smile was beautiful 
You touched my cheek and you kissed me 
At night we went for a stroll 
The wind blew our hair 
The fire made us warm 
The wind blew the waves 
Out on the lake 
We heard the owl in a nearby tree. 
I thought our love would last forever.











27 setembro 2013













[ jardins gulbenkian ]



















Na palma da tua mão





e na palma da tua mão 
busco ternura 
sem contar meses, 
anos, dias, 
sem saber dizer 
se já te chorei 
por inteiro 
o suficiente 
para não voltar
a perder-te 








Vasco Gato









25 setembro 2013






Casabianca







Love's the boy stood on the burning deck

trying to recite 'The boy stood on

the burning deck.' Love's the son

stood stammering elocution

while the poor ship in flames went down.



Love's the obstinate boy, the ship,

even the swimming sailors, who

would like a schoolroom platform, too,

or an excuse to stay

on deck. And love's the burning boy.










Elizabeth Bishop

















d e s c u b r a
a s
s e t e
d i f e r e n ç a s :








entre





a) o sonho acordado da colecção wallace:






e



b) os quadrados da banda beta:












(para a anita)

24 setembro 2013








fábula  da  alforria







quando os poemas naufragaram no galope das ondas
as suas frases separaram-se em palavras incrédulas
agarradas umas às outras no pânico do abismo do mar
e depois as palavras dissolveram-se em letras afogadas
que pousaram emudecidas no fundo da água sem luz


nessas letras sabe-se estar um cântico por escrever
uma ária mais difícil de entoar que comer uma romã
podia ser uma canção libertadora como carta de alforria
mas mais não é que uma imprecisa e vaga carta de marear
com a promessa de um porto de abrigo onde os poemas
se ancoram e os velhos marinheiros os cantam em blues










(para a júlia de carvalho hansen)















[ruas de lisboa]






















A (i)legibilidade do livro






O livro está aberto e há demasiada luz.
Tudo o que escreves está contido nesse livro de letras brancas como a tua morte.
Será possível ler o sol e o silêncio desse livro branco eternamente branco e silencioso?
Como conter a ávida necessidade de devorá-lo como se o livro pudesse matar-nos a irredutível fome de uma linguagem legível e luminosa?
Estamos perante a impossibilidade de ler por um excesso de luz que é a um tempo a nossa morte e a improvável possibilidade de escrever o que não vemos, de ler o que não lemos.
Devoramos o livro e com os olhos cegos de brancura transformamos a impossível leitura na escrita de uns signos imediatos que nos devolvem a linguagem da luz apagada pela luz.











António Ramos Rosa












23 setembro 2013









dizem-me que se calou
que não mais o ouviremos
e se quedou por fim muda
aquela voz interior da palavra




(1924-2013...(









 [mas basta recordar e ir aqui e aqui e aqui e aqui e aqui para sabermos que se trata de mais um exagero... ]













[ barbearia campos ]



















este azul foi escrito pelo lendário blind willie mctell e gravado inicialmente em 1928. 
existem inúmeras covers - a dos allman brothers é famosa - mas nenhuma é tão intensa quanto a de henry saint clair fredericks, que a gravou para o seu disco de estreia quarenta anos mais tarde. sou capaz de ouvir isto dez vezes seguidas.



"Yes now, wake up mama, turn your lamp down low.
Wake up mama, turn your lamp down low.
Have you got the nerve to drive poor papa Taj from your door?
Woke up this mornin' baby, I had them statesboro blues.
Statesboro Georgia, that is.
Woke up this mornin, had them statesboro blues.
Looked over in the corner, well my baby had 'em too.
Mama died and left me reckless, Papa died and left me wild,
I ain't good lookin baby, but I'm someone's sweet angel child.
Going to the country, baby do you want to go?
I know if you can't make it, your sister Lucille say she wanta go.
You know I loved that woman better than any woman I'd ever seen.
Yes I loved that woman better than any woman I'd ever seen.
She treat me like a king, I treat her like she was a doggone Queen.
Wake up mama, turn your lamp down low.
Wake up mama, turn your lamp down low.
Have you got the nerve to drive papa Taj from your door?"










22 setembro 2013

21 setembro 2013







Sátira aos homens quando estão com gripe

 







Pachos na testa, terço na mão,
Uma botija, chá de limão,
Zaragatoas, vinho com mel,
Três aspirinas, creme na pele
Grito de medo, chamo a mulher.
Ai Lurdes que vou morrer.

Mede-me a febre, olha-me a goela,
Cala os miúdos, fecha a janela,
Não quero canja, nem a salada,
Ai Lurdes, Lurdes, não vales nada.

Se tu sonhasses como me sinto,
Já vejo a morte nunca te minto,
Já vejo o inferno, chamas, diabos,
anjos estranhos, cornos e rabos,
Vejo demónios nas suas danças
Tigres sem listras, bodes sem tranças
Choros de coruja, risos de grilo
Ai Lurdes, Lurdes fica comigo

Não é o pingo de uma torneira,
Põe-me a Santinha à cabeceira,
Compõe-me a colcha, fala ao prior,
Pousa o Jesus no cobertor.
Chama o Doutor, passa a chamada,
Ai Lurdes, Lurdes nem dás por nada.

Faz-me tisana e pão de ló,
Não te levantes que fico só,
Aqui sózinho a apodrecer,
Ai Lurdes, Lurdes que vou morrer.








António Lobo Antunes














provavelmente esta foi a primeira canção dos roxy music de que gostei mesmo. sei exactamente quando a ouvi pela primeira vez: tinha ido estudar uma tarde para casa de um colega e um irmão dele, depois do lanche, pôs este disco a tocar. gosto de pensar que é uma imagem nacarada, inscrita a madrepérola na memória.




Turn the lights down / Way down low / Turn up the music / Hi as fi can go
All the gang's here/ Everyone you know / It's a crazy scene
Hey there just look over your shoulder / Get the picture' /No no no no .......(Yes)
Walk a tightrope / Your life-sign-line / Such a bright hope / Right place, right time
What's your number' / Never you mind / Take a powder
But hang on a minute what's coming round the corner' / Have you a future'
No no no no .......(Yes)

Well I've been up all night again / Party-time wasting is too much fun
Then I step back thinking / Of life's inner meaning / And my latest fling
It's the same old story / All love and glory / It's a pantomime
If you're looking for love / In a looking glass world / It's pretty hard to find
Oh mother of pearl / I wouldn't trade you / For another girl
Divine intervention / Always my intention / So I take my time
I've been looking for something / I've always wanted / But was never mine
But now I've seen that something / Just out of reach - glowing - / Very Holy grail
Oh mother of pearl / Lustrous lady / Of a sacred world
Thus: even Zarathustra / Another-time-loser / Could believe in you
With every goddess a let down / Every idol a bring down / It gets you down
But the search for perfection / Your own predilection /Goes on and on and on and on
Canadian Club love / A place in the Country / Everyone's ideal
But you are my favorita / And a place in your heart dear / Makes me feel more real
Oh mother of pearl / I wouldn't change you / For the whole world
You're highbrow, holy / With lots of soul / Melancholy shimmering
Serpentine sleekness / Was always my weakness / Like a simple tune
But no dilettante / Filigree fancy / Beats the plastic you
Career girl cover / Exposed and another / Slips right into-view
Oh looking for love / In a looking glass world / Is pretty hard for you
Few throwaway kisses / The boomerang misses / Spin round and round
Fall on featherbed quilted / Faced with silk / Softly stuffed eider down
Take refuge in pleasure / Just give me your future / We'll forget your past
Oh mother of pearl / Submarine lover / In a shrinking world
Oh lonely dreamer / Your choker provokes / A picture cameo
Oh mother of pearl / So so semi-precious / In your detached world
Oh mother of pearl / I wouldn't trade you / For another girl