21 maio 2013











Génese







Todo o poema começa de manhã, com o sol. Mesmo
que o poema não esteja à vista (isto é, céu de chuva)
o poema é o que explica tudo, o que dá luz
à terra, ao céu, e com nuvens à mistura - a luz incomoda
quando é excessiva. Depois, o poema sobe
com as névoas que o dia arrasta; mete-se pelas copas das
árvores, canta com os pássaros e corre com os ribeiros
que vêm não se sabe de onde e vão para onde
não se sabe. O poema conta como tudo é feito:
menos ele próprio, que começa por um acaso cinzento,
como esta manhã, e acaba, também por acaso,
com o sol a querer romper.












Nuno Júdice










2 comentários:

  1. é sempre tão bonito!
    vou levá-lo debaixo do braço para poder
    reler :-)

    ResponderEliminar
  2. pode levar à vontade. ao contrário do almoço, um poema é sempre de graça ;)

    ResponderEliminar