31 janeiro 2013











Reflexos







Olho-te pelo reflexo

Do vidro

E o coração da noite

E o meu desejo de ti

São lágrimas por dentro,

Tão doídas e fundas

Que se não fosse:

o tempo de viver;

e a gente em social desencontrado;

e se tivesse a força;

e a janela ao meu lado

fosse alta e oportuna,

invadia de amor o teu reflexo

e em estilhaços de vidro

mergulhava em ti.










Ana Luísa Amaral











Sem comentários:

Enviar um comentário