30 junho 2012











Não sei, amor, sequer, se te consinto
ou se te inventas, brilhas, adormeces
nas palavras sem carne em que te minto
a verdade intemida em que me esqueces.

Não sei, amor, se as lavas do vulcão
nos lavam, veras, ou se trocam tintas
dos olhos ao cabelo ou coração
de tudo e de ti mesma. Não que sintas

outra coisa de mais que nos feneça;
mas só não sei, amor, se tu não sabes
que sei de certo a malha que nos teça,

o vento que nos leves ou nos traves,
a mão que te nos dê ou te nos peça,
o princípio de sol que nos acabes.












Pedro Tamen


















ouvi hoje um disco dos stereophonics e depois lembrei-me de que ainda não os tinha referido por aqui - uma clara omissão, dado que o senhor kelly jones e os seus colegas galeses são autores de algumas das canções da minha vida





Maybe one thing
Maybe something
Maybe nothing
All I know is friend
It's nothing new

Maybe it's me
What is to be?
Maybe lucky
All I ask is where
We're s'posed to be

I give a lot
I take a lot
It's nothing new to me

Maybe you've grown
Am I so wrong
How long's too long
All I want is stuff to be happy

Maybe moving
Always proving
Am I losing
All that's meant to be?
That's meant to be?

Ya hear a lot
Ya told a lot
It's nothing new to me

Maybe laughing
Something lacking
Always sometimes
All I hear is how, it's meant to be

Maybe learning
Always searching
Am I asking
Things I'll know too soon?
I'll know too soon

We talk a lot
Don't do a lot
It's nothing new to me

I give a lot
I take a lot

It's nothing new to me
It's nothing new to me
It's nothing new to me










29 junho 2012









fábulas de lisboa








xxvi. na esquina do recolhimento








( lê-se melhor aqui )






















janelas de lisboa






















não procuro um amor entre os cardos,
se é entre os cardos que me vês, procura 
pensar que um amor não se perde por ali 
nem por ali se deve encontrar. se estou 
entre os cardos, meu amor, é para te esquecer 
e se me vires, pensa que é por ti, absolutamente por ti 
que procuro apenas dores, apenas fardos, 
para lentamente matar o meu coração. e 
se me vires cair, se entretanto me vires no chão, 
não me apanhes, não me ajudes, pensa que 
já ninguém passeia nos cardos e que o 
amor, para castigo dos que morrem, recomeça 
num outro lugar, seguramente à tua espera. 
depois sorri mesmo que te seja difícil, se por 
mais difícil que seja para mim ver-te sorrir 
é entre os cardos que devo partir, quando 
fugazmente te souber passando, tão parecida 
com ires buscar a felicidade sem mim e eu 
só mais uns segundos, já meus anjos preparados. 









valter hugo mãe










28 junho 2012









tenho muitas saudades dos area, um daqueles grupos que só depois de desaparecido se percebeu que era intemporal.
muita da rebeldia musical do meu tempo sempre se reviu mais em grupos assim, incatalogáveis, do que na muito mais óbvia pretensa revolução punk.
os anos setenta devem tudo ao potencial precursor e seminal dos area (... sim, até aquela pontinha de falta de gosto...)




Canto per te che mi vieni a sentire
Suono per te che non mi vuoi capire
Rido per te che non sai sognare
Suono per te che non mi vuoi capire

Nei tuoi occhi c'è una luce
Che riscalda la mia mente
Con il suono delle dita
Si combatte una battaglia
Che ci porta sulle strade
Della gente che sa amare
Che ci porta sulle strade
Della gente che sa amare
Il mio mitra è un contrabbasso
Che ti spara sulla faccia
Che ti spara sulla faccia
Ciò che penso della vita
Con il suono delle dita
Si combatte una battaglia
Che ci porta sulle strade
Della gente che sa amare
Nei tuoi occhi c'è una luce
Che riscalda la mia mente
Con il suono delle dita
Si combatte una battaglia
Che ci porta sulle strade
Dalla gente che sa amare
Che ci porta sulle strade
Dalla gente che sa amare
























indian church

emily carr










(para compensar a permanentemente censurada clorofila)


27 junho 2012










[não ligo muito ao futebol, mas hoje só me apetece pegar no carro e ir por aí, a acelerar pelo lado errado da estrada...]





put a dead cat on the railroad tracks
when the wolf bains blooming by the tressel
and get the eyeball of a rooster
and the stones from a ditch
and wash em down with bilge water
and say you'll never snitch
take the buttons from a yellow jacket
the feather from a buzzard
and the blood from the bounty hunters cold black heart
catch the tears of a widow
in a thimble made of glass
tell your mama and your papa
they can kiss your ass
poison all the water in the wishin' well
and hang all them scarecrows from a sycamore tree
burn down all them honeymoons
put ‘em in a pillow case
and wait next to the switch blades at the amusement park for me
strangle all the christmas carols
scratch out all you prayers
tie ‘em up with barbed wire
and push them down the stairs
and i'll whittle you a pistol
for keepin' nightmares off your blinds
those sunsabitches always seem to sneak up from behind
syphon all the gas from your daddys pickup truck
fill up johnny’s t bird
i got a couple bucks
put on little perfume and a ribbon in your hair
careful that you don't wake up the hounds
tear a bolt of lightning
off the side of the sky
and throw in the cedar chest
if you want me to tell you why
bring the gear shift knob from a ‘49 merc
and lay down here beside me
let me hold you in the dirt
and you'll tremble as the flames
tear the throat out of the night
sink your teeth into my shoulder
dig your nails into my back
tell that little girl to let go of my sleeve
you'll be a woman when i catch you
come baby fall in love with me
then with my double barrel shotgun
and a whole box of shells
we'll celebrate the 4th of july
we'll do 100 miles an hour
spendin' someone elses dough
and we'll drive all the way to reno
on the wrong side of the road























travessa da laranjeira





















Amor







o teu rosto à minha espera, o teu rosto
a sorrir para os meus olhos, existe um
trovão de céu sobre a montanha.

as tuas mãos são finas e claras, vês-me
sorrir, brisas incendeiam o mundo,
respiro a luz sobre as folhas da olaia.

entro nos corredores de outubro para
encontrar um abraço nos teus olhos,
este dia será sempre hoje na memória.

hoje compreendo os rios. a idade das
rochas diz-me palavras profundas,
hoje tenho o teu rosto dentro de mim. 









José Luís Peixoto










26 junho 2012









d e s c u b r a
a s
s e t e
d i f e r e n ç a s :








clyde:


jonathan:



Lover, please, please come back.
Don't take the train comin' down the track.
Don't, please don't, don't leave me.
Don't leave me in misery.

You would never hold me so near.
You would never call me, Dear.
Don'tcha know I'd die for you?
Now you're gone, that's what I'll do.

Lover, please, please come back.
Don't take the train comin' down the track.
Don't, please don't, don't leave me.
Don't leave me in misery.

Old, old story, not too long,
About a love that went all wrong.
The girl left the boy, just as bad,
Now she's gone, she's so sad.

Lover, please, please come back.
Don't take the train comin' down the track.
Don't, please don't, don't leave me.
Don't leave me in misery.

You would never hold me so near.
You would never have called me, Dear.
Don'tcha know I'd die for you?
Now you're gone, that's what I'll do.

Lover, please, please come back.
Don't take the train comin' down the track.
Please don't, don't, don't leave me.
Don't leave me in misery.























jardins gulbenkian

















podem contar-se pelos dedos de uma mão as covers que conseguem suplantar os originais.
e quando me pedem um exemplo (re)lembro sempre esta canção de bob dylan, que van morrison soube recriar de forma magistral. por vezes os them até soam aqui aos stones dos anos sessenta e, acreditem, "isto" é melhor que o original.



You must leave now, take what you need, you think will last.
But whatever you wish to keep, you better grab it fast.
Yonder stands your orphan with his gun,
Crying like a fire in the sun.
Look out the saints are comin' through
And it's all over now, Baby Blue.

The highway is for gamblers, better use your sense.
Take what you have gathered from coincidence.
The empty-handed painter from your streets
Is drawing crazy patterns on your sheets.
This sky, too, is folding under you
And it's all over now, Baby Blue.

All your seasick sailors, they are rowing home.
All your reindeer armies, are all going home.
The lover who just walked out your door
Has taken all his blankets from the floor.
The carpet, too, is movin' under you
And it's all over now, Baby Blue.

Leave your stepping stones behind, something calls for you.
Forget the dead you've left, they will not follow you.
The vagabond who's rapping at your door
Is standing in the clothes that you once wore.
Strike another match, go start anew
And it's all over now, Baby Blue.














Digo-te por isso
que não me obrigues à luz.
Que escrever não é fácil,
que viver não é fácil
quando começamos a frase a meio.
Que lavo a cara ao chegar tão tarde
e mesmo assim o dia não se despega,
e mesmo assim
tu não estás, ninguém está.
Que não tenho espaço na minha secretária,
na minha vida, na minha cama
para tanto espaço.
Que já me disseram urbana,
e nem por isso me disseram decadente,
e que eu gostei.
Que já me disseram
muitas vezes
disfarçadamente triste,
e que por isso, por ser triste, por
sermos todos tristes, não mo deviam dizer.
Digo-te por isso
que não era minha intenção dizer-te mais uns versos
tristes e sem luz, e por isso, só por isso,
não era minha intenção dizer-te nada.










Filipa Leal










25 junho 2012









um dos muitos mitos que há sobre os azuis é o de eles só poderem ser cantados por quem os tenha ouvido desde o berço. 
não acredito, claro. e o sr. morrison também não.





Too many myths
People just assuming things that aren't true
There's too many myths
Coming between me and you
You might have your name up in lights
But you still have to keep your game uptight

Too many myths
Tell me, tell me how you gonna cope with this
Too many myths
You act like you've never been kissed
You put your name up in lights
And now you gotta keep your game uptight

You got problems
I got problems too
Everybody's gonna think
There must be something wrong with you

Because there's just too many myths
Can't you see I'm just trying to stay in the game
Just too many myths
I'm just trying to maintain
Sure I got my name in lights
But I've still gotta keep my game uptight

You got problems
And I got problems too
But that doesn't necessarily mean that
There's something wrong with you

There's just too many myths
Baby, I'm just trying to stay in the game
There's far too many myths
I'm just trying to maintain
I got my name up in lights
But I'm just trying to keep my game uptight









24 junho 2012











já não é hoje?
não é aquioje?

já foi ontem?
será amanhã?

já quandonde foi?
quandonde será?

eu queria um jázinho que fosse
aquijá
tuoje aquijá.








Alexandre O'Neill










































os zero7 não reinventaram o jazz, como alguns querem fazer crer, mas há neles uma atmosfera que é difícil ignorar – e/ou não gostar. esta canção é um daqueles pequenos milagres que por vezes acontecem nas fronteiras entre a pop e o jazz (e o clip tem uma animação fabulosa).






I lie awake I've gone to ground 

I'm watching porn in my hotel dressing gown 

Now I dream of you but I still believe

There's only enough for one in this lonely hotel suite


The journey's long
 and it feels so bad

I'm thinking back to the last day we had. 

Old moon fades into the new 

Soon I know I'll be back with you

I'm nearly with you,
 I'm nearly with you 


When I'm weak I draw strength from you 

And when you're lost I know how to change your mood 

And when I'm down you breathe life over me 

Even though we're miles apart we are each other's destiny


On a clear day 
I'll fly home to you 

I'm bending time getting back to you 

Old moon fades into the new 

Soon I know I'll be back with you 

I'm nearly with you 
I'm nearly with you
When I'm weak I draw strength from you 

And when you're lost I know how to change your mood 

And when I'm down you breathe life over me 

Even though we're miles apart we are each other's destiny
When I'm weak I draw strength from you 

And when you're lost I know how to change your mood 

And when I'm down you breathe life over me 

Even though we're miles apart we are each other's destiny


I'll fly, I'll fly home 

I'll fly home and I'll fly home










23 junho 2012











se alguém disser








se alguém disser que morri, avança até à varanda do céu,
escuta a noite e recolhe o meu corpo da espuma dos planetas.
não deixes que o meu rosto se dissolva nas tuas mãos,
insiste no meu nome até que o mar ascenda à tua boca.
e de luar em luar celebra o coração que fiz teu, mudamente,
como se o amor fosse sobreviver às veias paradas de sangue.











Vasco Gato



















future science versus man

jean-michel basquiat



















I am possessed by the conviction that I need you like blood needs a vein to get from one place to another.






Bill Callahan